48,00%


Faça o seu depósito no
Banese - Ag. 051 - C.C: 03/100.111-9

Faltam10 dias
Peça sua Oração
Peça sua Música
Reclamações

Notícias

22/07/2015

10. O rádio sergipano é cheio de fatos curiosos e engraçados.

O rádio sergipano é cheio de fatos curiosos e engraçados. Muitas gafes foram cometidas diante dos microfones, consciente ou inconsciente, mas foram ditas. Com a finalidade de mostrar ao leitor e registrar para a posteridade, vamos citar aqui, algumas dessas gafes e estórias dos bastidores do rádio.

 

Santos Santana, um alagoano que aqui chegou e ficou, era um dos mais completos radialistas que o rádio sergipano conheceu. Era o titular absoluto da leitura da Crônica da Cidade, escrita pelo Poeta Santo Souza. Apresentada diariamente, às 13 horas na Liberdade, depois Difusora e Cultura. Muito versátil, dominava o improviso como nenhum outro profissional. Transmitia as solenidades oficiais do Palácio, nomeando todos os presentes, sem escrever uma só linha, no improviso. Do Prefeito ao Secretário de Estado ou diretor e subdiretor de repartição pública, todos eram citados. Em determinada solenidade, o Dr. Leandro Maciel, governador do estado, recebia em Palácio, dois engenheiros paulistas que estavam em Sergipe, fazendo um levantamento para dotar Sergipe de uma infraestrutura habitacional destinada à população carente. Santana foi com a rádio Difusora cobrir esse encontro do governador com os visitantes. Após abrir a transmissão e nominar todos os presentes e seus respectivos cargos, Santana disse: nesse momento, senhoras e senhores, Sua Excelência, o Sr. Governador Leandro Maynard Maciel está em Palácio, com os membros de fora. Com os engenheiros, naturalmente.

 

Pedro Apóstolo de Jesus, um nome que o rádio sergipano não deve esquecer. Houve época em que Seu Pedro, como era chamado pelos radialistas, pai de outro técnico competente, José Apóstolo Sobrinho, fundador da Rádio Cultura, dava assistência a todas as emissoras existentes em Aracaju. Quando uma rádio saia do ar ou ocorria qualquer problema, chegava Pedro Apóstolo, com o teste na mão, subindo vagarosamente as escadarias dos estúdios da Difusora, Liberdade e Jornal, para recolocar no ar a estação. Era muito responsável e querido por todos nós do rádio. Usava um chaveiro preso na calça com mais de 100 chaves. Na sua calça, dizia o pessoal, era colocado um reforço de couro para suportar o peso do chaveiro e não rasgar o pano. Pela manhã, ele dava um giro pelas rádios. Numa dessas manhãs, ele chega a Difusora, passa pelo corredor que divide o auditório em duas partes e se dirige para a sala técnica que ficava a esquerda do auditório, no finalzinho do corredor. Ao invés de tirar o super chaveiro da cintura e procurar a chave para abrir a porta do departamento técnico, Pedro Apóstolo, levanta uma das pernas, tentando alcançar a fechadura. Alguém grita no final do auditório: aí não Seu Pedro, o poste é mais adiante. O caso foi resolvido na direção da rádio, com a suspensão do locutor brincalhão. 


Fonte/Autor: Jornalista Jairo Alves de Almeida

Deixe seu Comentário

Ainda não há comentários, seja o primeiro a comentar.

Seu Nome:

Seu E-mail:  (Não será divulgado)

Comentários:
   Página de 3     ( Total de Registros: 28 )

 

 
© Copyright 2009  Rádio Cultura de Sergipe
Rua Simão Dias, 643  Centro · Aracaju/SE
(79) 3226-8710 · 3226-8704 · 3226-8700  |  cultura@cultura670.com.br
 
 
 
Desenvolvido por Forma&Cor - Comunicação e Design