56,00%


Faça o seu depósito no
Banese - Ag. 051 - C.C: 03/100.111-9

Faltam4 dias
Peça sua Oração
Peça sua Música
Reclamações

Notícias

22/04/2018

Regina Coeli - Praça São Pedro, Domingo, 22 de abril de 2018

Prezados irmãos e irmãs, bom dia!

 

A Liturgia deste quarto Domingo de Páscoa prossegue na intenção de nos ajudar a redescobrir a nossa identidade de discípulos do Senhor Ressuscitado. Nos Atos dos Apóstolos, Pedro declara abertamente que a cura do coxo, realizada por Ele e da qual Jerusalém inteira fala, teve lugar em nome de Jesus, porque «em nenhum outro há salvação» (4, 12). Naquele homem curado está cada um de nós — aquele homem é a nossa figura: todos nós estamos ali — e estão as nossas comunidades: cada um poderá ser curado das numerosas formas de enfermidade espiritual que tiver — ambição, preguiça, orgulho — se aceitar colocar com confiança a própria existência nas mãos do Senhor Ressuscitado. «É em nome de Jesus Cristo Nazareno — afirma Pedro — que esse homem se acha são» (v. 10). Mas quem é Cristo que cura? No que consiste ser curado por Ele? Do que nos sara? E através de que atitudes?

 

Encontramos a resposta a todas estas perguntas no Evangelho de hoje, onde Jesus diz: «Eu sou o bom Pastor. O bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas» (Jo 10, 11). Esta auto-apresentação de Jesus não pode ser reduzida a uma sugestão emotiva, sem qualquer efeito concreto! Jesus cura através do seu ser Pastor que dá a vida. Oferecendo a sua vida por nós, Jesus diz a cada um: “A tua vida vale tanto para mim, que para a salvar dou-me completamente a mim mesmo”. É exatamente este oferecer a sua vida que o torna bom Pastor por excelência, Aquele que cura, Aquele que nos permite levar uma vida boa e fecunda.

 

A segunda parte da mesma página evangélica diz-nos quais são as condições para que Jesus nos possa curar, tornando a nossa vida jubilosa e fecunda: «Eu sou o bom Pastor — diz Jesus — conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas conhecem-me, assim como o meu Pai me conhece e Eu conheço o Pai» (vv. 14-15). Jesus não fala de um conhecimento inteletivo, não, mas de um relacionamento pessoal, de prefileção, de ternura recíproca, reflexo da mesma íntima relação de amor entre Ele e o Pai. É através desta atitude que se realiza um relacionamento vivo com Jesus: deixar-me conhecer por Ele. Não me fechar em mim mesmo, abrir-me ao Senhor, para que Ele me conheça. Ele está atento a cada um de nós, conhece profundamente o nosso coração; conhece as nossas qualidades e os nossos defeitos, os projetos que realizamos e as esperanças que foram desiludidas. Mas aceita-nos tal como somos, até com os nossos pecados, para nos curar, para nos perdoar; Ele guia-nos com amor, para podermos percorrer até caminhos impérvios, sem perder o rumo. Ele acompanha-nos.

 

Por nossa vez, somos chamados a conhecer Jesus. Isto implica um encontro com Ele, um encontro que suscite o desejo de o seguir, abandonando as atitudes autorreferenciais para nos encaminharmos por novas sendas, indicadas pelo próprio Cristo e abertas para vastos horizontes. Quando, nas nossas comunidades, se arrefece o desejo de viver a relação com Jesus, de ouvir a sua voz e de o seguir fielmente, é inevitável que prevaleçam outros modos de pensar e de viver que não são coerentes com o Evangelho. Maria, nossa Mãe, nos ajude a amadurecer um relacionamento cada vez mais forte com Jesus. Abramo-nos a Jesus, para que Ele entre em nós. Uma relação mais vigorosa: Ele ressuscitou! Assim podemos segui-lo durante a vida inteira. Que neste Dia Mundial de Oração pelas Vocações, Maria interceda a fim de que muitos respondem com generosidade e perseverança ao Senhor que chama a deixar tudo pelo seu Reino.

 

 

Depois do Regina Coeli

 

Caros irmãos e irmãs!

Estou preocupado com o que está a acontecer nestes dias na Nicarágua onde, a seguir a um protesto social, se verificaram conflitos que chegaram a causar algumas vítimas. Exprimo a minha proximidade orante àquele país, enquanto me uno aos Bispos para pedir que cesse toda a violência, se evite um inútil derramamento de sangue e as questões abertas sejam resolvidas pacificamente e com sentido de responsabilidade.

 

Como acabei de mencionar, neste quarto Domingo de Páscoa celebra-se em toda a Igreja o Dia de Oração pelas Vocações. O tema é: «Ouvir, discernir, viver a chamada do Senhor». Demos graças ao Senhor, porque Ele continua a suscitar na Igreja histórias de amor por Jesus Cristo, para o louvor da sua glória e ao serviço dos irmãos. Hoje, em particular, demos graças pelos novos sacerdotes que há pouco ordenei na Basílica de São Pedro. E peçamos ao Senhor que mande muitos bons operários para trabalhar no seu campo, e que também multiplique as vocações para a vida consagrada e para o casamento cristão. Como eu dizia, hoje ordenei 16 presbíteros. Destes 16, quatro vieram aqui para vos saudar e dar a Bênção juntamente comigo. [quatro novos sacerdotes aparecem na janela ao lado do Papa].

 

Saúdo de coração todos vós, romanos e peregrinos da Itália e de muitos países, em especial os provenientes de Setúbal, de Lisboa, de Cracóvia, e as Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre, que vieram da Coreia.

 

Desejo bom domingo a todos; e, por favor, não vos esqueçais de rezar por mim. Bom almoço e até à vista!

 


Fonte/Autor: Vaticano

Deixe seu Comentário

Ainda não há comentários, seja o primeiro a comentar.

Seu Nome:

Seu E-mail:  (Não será divulgado)

Comentários:
   Página de 36     ( Total de Registros: 351 )

 

 
© Copyright 2009  Rádio Cultura de Sergipe
Rua Simão Dias, 643  Centro · Aracaju/SE
(79) 3226-8710 · 3226-8704 · 3226-8700  |  cultura@cultura670.com.br
 
 
 
Desenvolvido por Forma&Cor - Comunicação e Design